Arquivo da tag: Kako Von Borowski

Poema: Eu Beijei Estrelas, por Kako Von Borowski

*Este poema faz parte da Revista Cornucopia Vacua impressa #02

Leia mais do autor na tag: https://cornucopiavacua.wordpress.com/tag/kako-von-borowski/

O Kako já é um parceiro querido aqui da CV. No site, vocês poderão conferir vários trabalhos dele. Como é um multiartista que compõe letras e toca guitarra, ele sempre traz algo de muito plural na sua arte pelas suas muitas influências musicais – de Beethoven a Pink Floyd – e literárias – como Edgar Allan Poe. Sobre o melhor e o pior de ser artista, Kako respondeu: “O melhor é depois de terminar algo e se sentir feliz e triste ao mesmo tempo, olhando para o que fez, o sentimento de realização, parece que entramos e saímos de uma jornada incrível por cada nova parte da gente que estamos a conhecer naquele momento”. Confiram o resultado dessa jornada abaixo.

matheuskakomusica@gmail.com | Facebook 

Imagem: British Library.
The Half Hour Library of Travel, Nature and Science for young readers

Eu Beijei Estrelas

Por Kako Von Borowski

As estrelas brilham alto no céu

Tão perto que posso sentir

Seu cheiro e seu calor

Que me envolve e acalenta

Nesse único e definitivo momento

Eu sinto seu corpo, feito de luz

Pele e unha, mas ainda sim

Tudo é tão escuro e macio

Eu abraço forte e com calma

Reaprendemos a tocar e respirar

E cada segundo que passa…

Dói, dói a antecipação

De explorar

O desconhecido

Estrelas brilham em nosso corpo

E o seu líquido eu espalho

Com todo o meu rosto

Os meus lábios e seus dedos

Hoje fazem chover pra sempre

Mas a tempestade existe aqui agora

E Nenhum ruído pode sequer

Superar todos os nossos

E nada de nada mais pode pará-la

Nem o maior terremoto daqui

Nem a maior autoridade

O mistério febril vai se revelar

Depois dos trovões que batem

Nos nossos ouvidos

Eles batem, batem, batem, batem…

O alívio desce e caminha sobre

Nossas costas molhadas

Era, enfim, a chuva.

Anúncios

Poema: Ciúmes, por Kako Von Borowski

O Kako já é um parceiro querido aqui da CV. Ele publicou aqui o poema Ela Disse: (Cum) e respondeu a um dos desafios do site com O ponto mais Longe de Tudo. No post de hoje, ele traz um poema sobre um sentimento bem comum na vida de todos. Após a leitura, dá uma sensação de que se ouviram os versos também. Talvez pelo fato de o autor ser também um compositor. Confira essa musicalidade abaixo.

Gostou? Compartilhe, comente, ajude a fortalecer a literatura. 🙂

Confira mais do autor na tag: https://cornucopiavacua.wordpress.com/tag/kako-von-borowski/

Contatos do autor: E-mail: matheuskakomusica@gmail.com | Facebook 

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

Ciúmes

Por Kako Von Borowski

 

A pessoa apareceu e então despejou:

Aonde você vai, se somos um?

Eu tenho uma aparente paranoia

Você nem fica me jogando boia

E então afundamos achando ruim

 

Eu olho finalmente indignado

Em primeiro lugar, Vê se lambe

A parte mais suada do meu corpo

E fica empilhando todos os côcos

Até decidir se vai amar de verdade

 

Porque se ama, ama mesmo

Eu vou ser leal, etc e tal

Eu vou ser leal

Só se prometer, se prometer ser livre

 

livre e leve como uma criança

Que vê tudo, com sua inocência

Por que ela é hábito de pequeno?

Se o amor é um inocente pleno

No melhor sentido da incontinência

 

Lembra de como tratávamos eles?

Todos os nossos sentimentos

Toda a simplicidade do querer

Sem querer nunca nunca ser

Dono dos sentimentos de todos

 

Agora, mais calmo eu olho

Em segundo lugar, Por que

Tem essa atitude sobre nós

Esse condicionamento que faz nós

E deixa mais inseguro impossível?

 

Porque se ama, ama mesmo

Eu vou ser leal, etc e tal

Eu vou ser leal

Só se prometer, se prometer ser livre

 

Amo quando você ama

 

Estar com você

Me da a mesma sensação

De quando passo muito tempo ouvindo Jazz

 

As vezes sinto

Uma imensa vontade

De sumir e passar vivendo longe de todos

 

E então percebo

Isso e bobagem

Vocês todos fazem a minha vida

 

Então, se o amor

Ficar difícil de aguentar

Venha e fale com seu deus

Venha e fale com sua deusa

 

 

Mas eu sei

Se somos reflexos

De como nos tratamos, O que isso te diz

 

Sobre o Blues…

 

 

Então, se o amor

Ficar difícil de aguentar

Venha e fale com seu deus

Venha e fale com sua deusa

 

Resultado do Desafio #1

Para agitar o espírito dos artistas, propus um desafio. Leia sobre nesse post.  O prazo era curto justamente para tirar o artista daquele modo de rascunhar e guardar na gaveta. A ideia era que se produzisse algo baseado na imagem abaixo. Dois corajosos responderam à provocação e disso nasceram dois belos poemas, diferentes em suas interpretações e essências. Confira o resultado.

Fique ligado que logo, logo, vem mais desafio por aí. 😀  – Luciana Minuzzi.

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

O ponto mais Longe de Tudo

Por Kako Von Borowski

Se os olhos na sua nuca

Enxergassem

Veria o lugar, o estado mental

que esteve toda a sua vida

O efeito borboleta

Já começou

da infância a repressão

Como pode não ver a diferença?

Como é possível que estes sejam…

Os únicos campos que conhece?

Se apenas houvessem outras

Melodias

Mas não se ouve nada em milhas

Que são apenas longe demais

Das almas

Que habitam meu coração

Como posso falar com todas elas?

O gramado onde caminham é tão opaco…

Será que nada vai mudar por aqui?

Talvez…

Tudo passará

O esverdeado escuro

Que vejo todos os dias

Talvez…

Passe a não ser

Tão escuro que cega

Mas isso, isso…

Só o tempo dirá

*O Kako já publicou aqui na CV. Mais do trabalho dele na tag: https://cornucopiavacua.wordpress.com/tag/kako-von-borowski/

Um menino perdido na solidão

Por Robert Pavão

Pois desde cedo

Eu percorro por caminhos

Caminhos que eu não sei para onde me levaram

Percorro por lugares desconhecidos

A procura de paisagens

A procura da felicidade

Eu estou perdido aqui

Perdido na alegria e na paixão

Neste lugar solitário, que me faz refletir

Refletir no que é bom para mim

Neste campo, neste paraíso

Pois eu sou apenas um menino

Um menino em busca da diversão

Pois sentir o cheiro

O cheiro das flores

O cheiro da natureza

Pois tenho em mente o que realmente é bom

Pois sei que isso é uma boa diversão

Para um menino perdido

Perdido na sua solidão

Retrospectiva 2014

O último post antes deste foi sobre os números do blog em 2014. Confiram aqui.

Como vocês viram, tivemos muitos acessos nos vários poemas, contos, crônicas e tudo mais postado no site. Só tenho a agradecer e fico muito feliz em ver os trabalhos apreciados e compartilhados. Comecei a trabalhar com a ideia da revista em junho, mas foi em 8 de agosto o primeiro post do site. Nele, eu contava o que era essa tal de cornucópia. Clique aqui para conferir. De lá pra cá, foram quase  30 posts com conteúdos diversos e tri bacanas.

Tem muito material ótimo no agendamento esperando para ser publicado. Então, aproveite. Reveja a lista e acesse os textos ainda não vistos ou relembre os já vistos. Logo, logo, terá muita novidade por aqui.

Falando nisso, já enviou o seu material?  Tá esperando o quê? 😀 Clique aqui e saiba como.

Autores, confiram os comentários dos leitores nos seus posts. Tem vários muito legais. 😉 – Luciana Minuzzi.

15.01.02 - Retrospectiva

Conto

CONTO: NASCIDA EM SANGUE, POR LUCIANA MINUZZI

PARCERIA: ANTES DO CEDO, POR CESAR DOMITY

CONTO: O ÚLTIMO, POR LUCIANA MINUZZI

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

CONTO: O CASO DA MORENA, POR LUCIANA MINUZZI

CONTO: A CONSULTA, POR FERNANDO RODRIGUES

CONTO: MISSÃO DE AMOR NAS MISSÕES, POR LEONARDO DIAS

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

CONTO: PÉ PELADO, POR LUCIANA MINUZZI

CONTO: QUANDO O GAÚCHO SAI DE FÉRIAS, POR CESAR BORGES

CONTO: CÁRCERE, POR LUCIANA MINUZZI

CONTO: O NÚMERO DO QUARTO É 123, POR VERÔNICA MORTA DA SILVA

CONTO: AS SORRIDENTES, POR MATHEUS RIBEIRO SANTI

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

Poema              

PARCERIA: SOU VERSO, POR MARA GARIN

POEMA: ELA DISSE: (CUM), POR KAKO VON BOROWSKI

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

POEMA E ILUSTRAÇÃO: NA TV SÓ PASSA MERDA – RECUERDOS DE LA MAÑANA, POR PEDRO LAGO.

Imagem: Pedro Lago.
Imagem: Pedro Lago.

POEMA: CÊ, POR EDUARDO RUEDELL

POEMA: VOCÊ EM MIM, POR LAVIOLETE ARAÚJO

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

Crônica

CRÔNICA: (RE) ENCONTROS, POR RAFAEL PACHECO

CRÔNICA: SOBRE A HUMANIDADE, POR SIMONE MACHADO

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

Coluna

COLUNA: PARA REPENSAR A POÉTICA, POR J. ROWSTOCK

Entrevista

ENTREVISTA: O MULTI-TALENTOS ALEXANDRE CARVALHO

14.09.29 - Entrevista_Alexandre Carvalho2
Imagem: Luciana Minuzzi

 

Lançamentos e lembretes

ENVIE O SEU MATERIAL PARA A REVISTA CORNUCOPIA VACUA

VOCÊ VAI NO EVENTO DE LANÇAMENTO DA REVISTA CORNUCOPIA VACUA #00?

COBERTURA DO LANÇAMENTO DA REVISTA CORNUCOPIA VACUA #00

DSC00966
Imagem: Luciana Minuzzi

 

VOCÊ VAI AO EVENTO DE LANÇAMENTO DA CV #1?

COBERTURA DO LANÇAMENTO DA REVISTA CORNUCOPIA VACUA #01

???????????????????????????????
Imagem: Luciana Minuzzi

 

FELIZ NATAL, LEITORES DA CV

OS NÚMEROS DE 2014

 

 Um 2015 cheio de boas leituras pra todos nós. 🙂

Poema: Ela disse: (Cum), por Kako Von Borowski

Não se deixe enganar pelos cachinhos ruivos e angelicais que ele ostenta, Kako foi o primeiro a trazer uma pitada de erotismo para o Cornucopia Vacua. Como muitos por aqui, ele é do tipo multiartista: compõe, faz poesias e toca guitarra. A música esteve presente desde os primeiros anos de vida. Os pais o influenciaram a ouvir desde Beethoven a Pink Floyd. Com 12 anos, ele pegou uma guitarra pela primeira vez e nunca mais largou. Dois anos depois, a literatura entrou em cena impulsionada por compositores, pintores e escritores como Edgar Allan Poe. Aí eu preciso concordar. Poe também foi uma grande influência pra mim. Quando questionado sobre o melhor e o pior de ser artista, Kako respondeu: “O melhor é depois de terminar algo e se sentir feliz e triste ao mesmo tempo, olhando para o que fez, o sentimento de realização, parece que entramos e saímos de uma jornada incrível por cada nova parte da gente que estamos a conhecer naquele momento.”Aí eu também preciso concordar com ele.  He, he. Confira o poema dele abaixo. Comentários serão muito bem-vindos. – Luciana Minuzzi.

Imagem: British Library.
Imagem: British Library.

 Ela disse: (Cum)

Por Kako Von Borowski

 

Ela disse que queria gozar

Perguntei: de que? tem algo engraçado?

Ela perguntou se eu não tinha mordido a maçã

fiquei pensando se era uma coisa cristã

 

Exploda minha cereja Daddy-o

Acho que essa garota gosta muito de frutas

Ela mordeu o lábio e sorriu que beleza

Fiquei esperando ela me dar a cereja

 

A estranheza do momento apontava a minha confusão

O que essa garota tem de errado? O que ela quer?

Haammm… Deixa pra lá, acho que o negócio mesmo é…

O que ele é? é pegar o que é meu e ir embora

Elas devem gostar disso, né?

 

Ignorei tudo o que ela disse

E então fui fazer do jeito que aprendi

Filme pornô e domingo nas igrejas ajudam hein

Ela me olhou e disse: estou nervosa, bem

 

Opa! Agora eu não entendo

Achei que tinha acontecido algo errado

Ela olhava para mim e tentava sorrir de canto

O meu corpo deu um salto de espanto

 

A estranheza do momento apontava minha confusão

Não sabia que e podia sorrir em momentos assim

ééé quee… Me falaram que isso é meio errado…

Eu posso rir? E se não for no escuro não to a fim

Deve ser assim que elas gostam, né?

 

Ela se mexeu para ligar a luz

Disse que queria se divertir nesse momento

Fui logo pensando em ir embora e me encolhendo

Assim não dá, se não fico ereto, não funciono

 

A estranheza do momento apontava minha confusão

Fui pular a janela mas estava trancada. E agora?

ééé… Quebrei o vidro e fiz um rolamento caindo no chão…

Qual é a dela? Tem gente muito pirada nesse planeta

Acho que todas elas são assim, né?

 

Fazer “aquilo” não é como me disseram

Nunca me falaram isso, não não

Vou falar com o guia espiritual

Vou falar, vou falar…